Artrite Reumatoide segundo a medicina chinesa e a terapêutica natural

ALBERTO BASTOS

A artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida,
caracterizada por poliartrite periférica e simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.

Com a progressão da doença, os pacientes desenvolvem incapacidade para realização de suas atividades tanto de vida diária como profissional, com impacto econômico significativo para o paciente e para a sociedade.

Artrite Reumatóide

Por ser auto-imune é causada quando as células do sistema imunológico passam a atacar as articulações do próprio corpo. Esta reação de auto-agressão imunológica leva a inflamação progressiva dos tecidos que revestem as articulações causando danos em cartilagens, ossos, tendões e ligamentos articulares. Gradualmente a articulação perde sua forma e alinhamento, podendo até ser completamente destruída.

Sintomas da artrite reumatóide

Os sintomas iniciais da artrite reumatóide são:

  • Mal estar;
  • Febre baixa;
  • Suores;
  • Perda de apetite;
  • Perda de peso;
    Fraqueza;
  • Humor deprimido ou irritado;

Dores nas articulações, na maioria das vezes de forma simétrica, ou seja, nos dois lados do corpo; com o tempo, os sintomas da artrite tornam-se mais acentuados:

  • Articulações com sinais evidentes de inflamação: dor, inchaço, calor, vermelhidão, rigidez mais intensa após despertar;
  • A inflamação acomete pelo menos três articulações;
  • Aumento dos gânglios;
  • Anemia;
  • Nódulos subcutâneos.

A Artrite Reumatóide sob o ponto de vista da medicina chinesa enquadra-se em padrão misto de Síndrome de Obstrução Dolorosa do Tipo Vento ou Móvel, Tipo Úmido, Tipo Frio, Tipo Calor, ou do Tipo Óssea. É causada pela invasão do vento, caracterizando-se por sensibilidade e dor muscular, articular, com limitação de movimento e dor que migra de uma articulação para outra. Nos casos agudos encontramos pulso flutuante e ligeiramente rápido.

Quando causada por Vento e Umidade apresenta dor e edema acometendo a articulação, pode apresentar peso e parestesia, dor fixa que é agravada por clima úmido ou exposição à umidade. Na fase aguda o pulso é levemente escorregadio.

Tipo Móvel – Causada pelo Vento, caracteriza-se por sensibilidade e dor muscular, limitação de movimento e dor que migra de uma articulação para outra. Nos casos agudos encontra-se pulso flutuante e levemente rápido.

Tipo Umidade ou Fixa – causada segundo pela Umidade, apresentando dor, edema articular com sensação de parestesia. A dor é localizada e piora com a exposição à Umidade.

Tipo Frio – Dor forte em uma determinada articulação apresentando limitação de movimento articular, normalmente é uni articular, o pulso se apresenta contraído.

Tipo Calor – É originado pelos padrões anteriores, o fator patogênico neste estágio se transforma em calor interior, isto vai ocorrer pela Deficiência de Yin. Sinais flogísticos estarão presentes, calor rubor e edema, acompanha sede, febre, pulso deslizante e rápido.

Tipo Óssea – Este padrão se desenvolve a partir dos quatro padrões anteriores e apresenta restrição da mobilidade articular, retenção de fluidos corpóreos, que se transformam em mucosidade gerando atrofia muscular, edema e deformidade da articulação. Segundo a Medicina Chinesa isto constitui uma forma extrema de mucosidade, neste estágio a Síndrome de Obstrução Dolorosa se transforma numa síndrome interior, afetando não apenas a articulação e meridianos, mas os órgãos internos. Em quadros crônicos da Síndrome de Obstrução Dolorosa do tipo óssea outras condições patológicas podem tomar parte no desenvolvimento da doença.

Estagnação de Qi e Xué e Fluidos corpóreos causados pela mucosidade pode gerar Estase de Sangue que vai obstruir a correta circulação sendo portando outra causa de dor. A Estase de Sangue também causa rigidez pronunciada, devido ao sangue estagnado que não nutre e umedece os tendões. Outro fator importante é a Deficiência do Gan (Fígado) e dor Shen (Rim). É essa deficiência que permite a Retenção de mucosidade e a estase de sangue. O Sangue do Gan nutre os tendões; quando o Gan é deficiente, os tendões não são nutridos, gerando dor e rigidez articular. O Shen nutre os ossos e quando e quando o Shen está deficientes, os ossos são destituídos de nutrição, fazendo com que a mucosidade se acumule nas articulações na forma de edema.

Fatores que podem estar presentes nos casos crônicos de Artrite Reumatóide:

I – Deficiência de Qi e Xue predispondo o organismo à invasão de fatores patogênicos externos.
II- Umidade retida nas articulações em forma de edema, devido à transformação inadequada dos fluidos corpóreos.
III- Estagnação de Xué devido à longa obstrução na circulação de sangue, causada por fatores patogênicos externos e por mucosidade.
IV-Deficiência do Gan e do Shen gerando má nutrição dos ligamentos tendões e ossos; o primeiro gerando dor e rigidez e o segundo contribuindo para o acúmulo de mucosidade nas articulações.

É importante entender que a contribuição da Medicina Chinesa e da Terapia natural é bastante abrangente. É preciso que seja considerada a importância do portador de Artrite Reumatóide assumir uma nova postura buscando em primeiro lugar uma mudança de hábitos alimentares, restaurar a biologia intestinal.

É fundamental para que o organismo possa buscar seu equilíbrio fisiológico, dieta antiinflamatória equilibrada em macro e micronutrientes com alimentos que vão tratar os desequilíbrios energéticos, diminuir possível intoxicação e apaziguar o stress imunológico. Associada essa prática condutas de fisioterapia, acupuntura, onde os pontos deverão ser considerados de acordo com cada caso mediante a manifestação patológica após minuciosa avaliação.

Referência Bibliográfica:

  • Projeto Diretrizes
  • Associação médica Brasileira
  • Conselho Federal de Medicina
  • www.projetodiretrizes.org.br 15/01/2010
  • Maciocia, G.A Prática da Medicina Chinesa, Ed. Roca, ano 1996
  • Leite, C. E. Nutrição e Doença , Ed. Ibrasa, ano 1987
  • Povoa, H O Cérebro Desconhecido, Ed. Objetiva 2008
  • Almeida , E. O Elo Perdido da Medicina , Art Z ano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.