A relação do coração e das emoções segundo a Medicina Chinesa e os atuais estudos de neuropsiquiatria

ALBERTO BASTOS

 

A medicina chinesa define bem a relação do coração e das emoções. Precisamos entender o cérebro e o coração como uma coisa única, sendo o cérebro yang e o coração yin. Para isso, precisamos entender também os três aquecedores como uma nuvem que circunda todo o corpo registrando todas as sensações corporais que serão sentidas no coração de forma yin e que, através de ressonância o cérebro traduz e exterioriza essas sensações de forma yang.

Entendo que o aquecedor inferior funciona separando o puro do impuro. O impuro é excretado e o puro será transformado em jing essência. No aquecedor médio teremos a formação do que poderíamos comparar ao preparo de uma “sopa”, dou este exemplo por que é ali que tudo é liquidificado, macerado, quebrado e isto é fundamental para absorção de nutrientes, vitaminas, minerais e principalmente da formação de jing essência e a eliminação do que não interessa, o impuro.
Agora vamos ao aquecedor superior. É nele que ocorre o registro das emoções, parte dessas emoções serão encaminhadas pelo cérebro para as células e outra parte exteriorizadas pelo aspecto yang do cérebro em expressões, palavras, sentimentos e conduta. “Como dizia Fernando Pessoa: Tudo que agora sinto está em mim pensando.”

Curiosamente a neuropsiquiatria moderna encontrou algumas correspondências que se enquadram na fisiologia da Medicina Chinesa.

“Recentemente se descobriu que o coração têm sua própria rede com dezenas de milhares de neurônios que agem como “minicérebros” (chamados “nuclei”), os “minicérebros” “nuclei” têm percepções particulares. Embora sua capacidade de processamento seja limitada, esses grupos de neurônios são capazes de adaptar seu comportamento às suas percepções e até de mudar suas respostas como resultado de sua experiência – ou seja, em certo sentido, de criar as próprias memórias.

Além de possuir uma rede própria de neurônios semi-autônomos, o coração é também uma pequena fábrica de hormônios. Ele produz seu estoque de adrenalina, que é libera quando precisa funcionar com capacidade máxima. O coração produz e controla a liberação de outro hormônio, o FNA (fator natriurético atrial), que regula a pressão sanguínea. Ele produz também sua reserva de oxitocina, geralmente chamada de “o peptídeo do amor”. (É o hormônio liberado no sangue quando uma mãe amamenta seu filho, durante o namoro e durante o orgasmo.) Todos esses hormônios agem diretamente sobre o cérebro.

Por fim o coração pode afetar todo o organismo por meio de variações de seu campo eletromagnético, o que pode ser detectado a vários metros de distância do corpo, mas cujo significado, a medicina ocidental ainda é incapaz de compreender”, pois esta relação se dá por fenômeno de circulação do Qi. Então se nos abrirmos para os conceitos da fisiologia energética podemos entender que os chineses já conheciam esta relação com muita propriedade a mais de 5000 anos.

O coração percebe e sente, ele estabelece seu próprio curso de ação e quando se expressa, influencia a fisiologia de todo o nosso corpo incluindo o cérebro, sua parte yang.

“O relacionamento entre o cérebro emocional e o “pequeno cérebro” no coração é uma das chaves para o domínio emocional. Ao aprender, literalmente a controlar o nosso coração, aprendemos a dominar nosso cérebro emocional, e vice-versa. Isso se dá porque a mais forte das relações entre o coração e o cérebro emocional é uma rede de comunicação difusa, de mão dupla, conhecida como “sistema nervoso periférico autônomo”- é a parte do sistema nervoso que, estando além do nosso controle consciente, regula o funcionamento dos órgãos.”

Dessa forma posso afirmar que a acupuntura, a dietética, a fitoterapia, a meditação e os exercícios chineses podem ser de grande contribuição em várias circunstâncias terapêuticas, das angústias às disfunções que levam a obesidade, a algumas alterações metabólicas primárias e de muitas outras patologias. Como costumo dizer, funcionamos como um instrumento musical que as vezes desafina prejudicando toda a música, quero dizer nossas relações com o que está a nossa volta.

 

 

 

 

 

Bibliografia:
O texto surgiu de um bate papo com o filósofo Juracy Cançado e da leitura do livro
Guérir – Le stress l’anxiété et la dépression sans medicaments ni pyschanalyse. Edition Robert Laffont S.A., Paris,2003
Dr.David Servan-Schereiber

Sangue ácido e sangue alcalino

No início dos anos 90, estudante de acupuntura e completamente fascinado pelas terapias naturais, tive o primeiro contado com a teoria do sangue ácido e do sangue alcalino. Naquela época aprendia a teoria de que o sangue ácido era prejudicial, pois favorecia a proliferação de agentes patogênicos e que quando o sangue está alcalino o agente patogênico tinha mais dificuldade de se proliferar.
Read more

Inverno, como se nutrir !

ALBERTO BASTOS

Estação Inverno

Período: 20 de junho a 21 de setembro
Elemento: Água
Órgão e víscera: Rim e Bexiga

Características:

Neste momento a introspecção é preciosa, se observar e permitir a auto-escuta, boa época para retiros espirituais, contemplação; ouvir musica suave.
Read more

Artrite Reumatoide segundo a medicina chinesa e a terapêutica natural

ALBERTO BASTOS

A artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida,
caracterizada por poliartrite periférica e simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
Read more

Martelo de sete pontas

ALBERTO BASTOS

O MARTELO DE SETE PONTAS citado na literatura especializada, freqüentemente, na terapêutica pediátrica tem se mostrado, no entanto, um recurso indispensável nas patologias músculo-esqueléticas, destinando-se a um número crescente de condutas terapêuticas, quando se utiliza a acupuntura.

Read more

Vasos lo

ALBERTO BASTOS

Total de 16 vasos:

  • Um para cada meridiano principal;
  • Um para o Vaso Governador (Du Mai);
  • Um para o Vaso Concepção(Ren Mai);
  • Grande Lo do Baço pâncreas;
  • Grande Lo do Estômago.
    São mais superficiais, que os canais principais, se ramificam em pequenos ramos que partem do ponto Lo (ou Passagem ou Conexão).
  • Estas redes de canais espalham-se sobre extensa área, conectando-se a diversos tecidos, pequenos capilares (anastomoses ou vênulas).
  • Os Vasos Lo são unidades funcionais que realizam funções específicas dos meridianosprincipais.
    Read more

O uso dos canais Liu Jing ou seis canais

ALBERTO BASTOS

INTRODUÇÃO

No final dos anos 80, tive meu primeiro contato com a técnica de tratamento da dor pelos canais LIU JING, denominado pelo Dr. Ysao Yamamura como Canais Unitários. Nesta época fui procurado por um amigo com forte dor lombar ocasionada por uma hérnia de disco. Após a primeira aplicação, meu amigo levantou-se da cadeira assustado e aliviado, relatando ter a dor desaparecido completamente, procurei-o no dia seguinte e a dor não mais retornara.
Read more

Enzima fonte de energia para todas as funções vitais do organismo.

A Jing Pré-Celestial na Medicina Chinesa determina a constituição básica de cada pessoa, força e vitalidade. O feto recebe dos pais o Jing herança genética. Considero ainda que a herança hereditária vai além do aspecto genético dos pais incluindo ainda a forma de como recebemos o seu amor, como somos educados, os valores que nos são transmitidos por eles em fim toda a educação e relação emocional recebida, fazendo ai parte do Jing pré e pós-celestial. É o que faz cada indivíduo ser único.
Read more

Imagem Intestino

Intestino e imunidade

O intestino é considerado como nossas “raízes” por varias correntes orientais como a macrobiótica, a dietética chinesa e a Medicina Ayurvédica, devido a sua função na absorção de nutrientes. Mas pouca importância tem sido dada a este órgão principalmente pela nutrição atual mais conservadora, entretanto sabemos que a Dietética Energética Chinesa usa pouco laticínios, pois é um grande produtor de fleuma e umidade. Por esta razão, a dietética energética associa o leite a doenças alérgicas respiratórias, sinusite, rinite.

A medicina biológica considera que o leite de vaca é causador de vários tipos de alergia. “Pessoas nascidas de 1946 e 1964, sobretudo nos Estados Unidos viveram num período em que a facilidade moderna estimulava a troca da amamentação mãe/filho pelas mamadeiras à base de leite de vaca.
Entendendo que bebês nascem com intestinos relativamente porosos, uma versão natural do que nos adultos chamamos de “Síndrome do intestino irritável” (decorrente de falhas de vedação). Neste quadro a flora intestinal fica bastante comprometida e as membranas das mucosas do intestino criam pequenas lesões ou “buracos”, que permitem a passagem de substâncias externas. Para um bebê essa é uma condição normal e essencial. O bebê precisa absorver facilmente tudo o que ingere, afinal de contas, bebês crescem numa velocidade espantosa. Seu peso pode dobrar depois de seis meses e triplicar depois de um ano. Para um desenvolvimento tão rápido, eles precisam de todos os nutrientes que conseguem ingerir.” Na MTC podemos associar este fato a transformação pelo PI (Baço),Qi do Fei (Pulmão)e Jing (Essência).

“O leite materno é um alimento perfeito para os bebês, atravessa facilmente as paredes intestinais e é absorvido pela criança sem problemas, este leite é fundamental para a formação imunológica da criança.
Quando a amamentação materna não ocorre por algum motivo, a maioria dos bebês se alimenta de uma fórmula baseada no leite de vaca. Ocorre que o leite de vaca atravessa o intestino da criança e parte dele é usada como nutriente, mas do ponto de vista genético, o bebê humano é programado para digerir leite materno.

Hoje em dia o leite de vaca comercial é misturado na fábrica a partir do leite de muitos animais. Portanto, o bebê que bebe esse leite recebe informação imunológica de vários rebanhos. Todas as proteínas da vaca atravessam os intestinos porosos do bebê, muitas delas – as quais não estão presentes no leite humano – são reconhecidas como substância estranhas pelo sistema imunológico da criança localizado ao longo do intestino delgado, onde os nutrientes são absorvidos na corrente sanguínea.

Esse sistema intestinal é chamado de “Placas de Peyer” – pequenas glândulas linfáticas que representam 80% de todo nosso sistema imunológico. Num recém- nascido, elas chegam a formar 98% do sistema imunológico e quando detectam proteínas “estranhas” ao organismo, podem produzir antígenos contra elas.
A exposição a estas proteínas após dezoito meses de vida não causa a mesma reação, pois o intestino da criança já se fechou. Invés de penetrarem no organismo, essas grandes moléculas de proteínas são detidas e digeridas antes da absorção. A digestão mais desenvolvida permite que sejam digeridas pelas enzimas em seus aminoácidos constituintes que já não são alergênicos.

Cada vez que as placas de Peyer entram em contato com uma destas proteínas “estranhas”,” avisam ao organismo o que resulta numa mucosa intestinal altamente inflamada e leva a danos a flora intestinal que estimula a digestão e protege o intestino. Já que o alérgeno primário é ingerido dia após dia, mais cedo ou mais tarde o intestino e a flora ficam danificadas, as paredes delicadas e finas do primeiro sofrem pequenas lesões.

Este quadro clínico é denominado de “Síndrome do intestino irritável” e pode causar um grande estrago no sistema imunológico intestinal.” Curiosamente lembrando que o Endoderma está relacionado com o revestimento epitelial do trato digestivo e do sistema respiratório. Os chineses entendiam esta relação pelo menos à 500 anos, sabiam que reações alérgicas comprometem o intestino e afeta o sistema respiratório comprometendo o Qi de defesa.

“Alergias secundárias se desenvolvem porque as membranas intestinais danificadas são tão permeáveis que outras moléculas ainda não plenamente digeridas conseguem atravessá-las. Dentro da corrente sanguínea são reconhecidas como agentes agressores. Alergias secundárias podem surgir a qualquer momento da vida de um ser humano e são percebidas porque normalmente tem relação com a histamina. Isso significa que elas são acionadas não pelas placas de Peyer, mas por mastócitos (células situadas sobretudo no tecido conjuntivo) que liberam histamina. A reação é geralmente rápida e bastante dramática: náusea, irritação ou vermelhidão da pele, inchaço, sobretudo da garganta e dores de cabeça intensas. A maioria das pessoas tem consciência de suas alergias secundárias. ” “Qi de defesa e Calor”

“As alergias primárias, por outro lado, são um pouco insidiosas e de identificação mais sutil, pois ao contrário das alergias histamínicas secundárias, que nos afetam de imediato, as primeiras levam até três dias para se manifestar. É por isso que em geral as pessoas não associam o sintoma ao alimento alergênico. Se for um alimento comum, que você come quase todos os dias, os sintomas sempre estarão presentes, amplificando-se gradualmente com o tempo.

Quando você mobiliza 80% de seu “exército” para se defender contra o perigo das alergias alimentares, não restam “tropas” suficientes para lutar em todas as batalhas” imunologicamente importantes contra infecções e até contra o câncer”. Além disso, os danos inflamatórios das alergias primárias reduzem a superfície dos intestinos, o que é de importância vital para a absorção dos bons nutrientes de que você precisa.”

Percebemos que disbiose intestinal está diretamente ligada às alergias respiratórias. A acupuntura, a fitoterapia e principalmente a aceitação e comprometimento do cliente em modificar seu hábitos alimentares são fundamentais para uma resposta de sucesso no tratamento.

Este texto surgiu da leitura dos seguintes livros:

  • DOUGLASS, William Campbell
    The Milk Book
  • LEITE, Carlos Eduardo
    Nutrição e Doença
  • RAUL, Thomas
    The Swiss Secret to Optimal Health
  • JINGFEN, Cain
    Eating Your Way to Health –Dietotherapy in Traditional Chinese Medicine

Imagem de Mulher caminhado de pés descalços numa rua de terra

Sobre o ato de caminhar.

Caminhando vamos movimentar os intestinos aumentando a eliminação de fezes por estimulo peristáltico, se andamos rápido ou se corremos os intestinos massageiam a vesícula que vai ser estimulada a liberar bílis para o próprio intestino destoxificando o fígado, por isso que em medicina chinesa dizemos que fazer exercício promove a circulação do “Qi” energia do fígado. Outra coisa o coração movimenta o sangue, mas quem faz realmente o retorno venoso é a panturrilha a “batata da Perna” que favorece o sangue de retorno. Vamos aumentar a respiração oxigenando nossos tecidos e vamos suar ajudando o corpo a eliminar toxinas. Todas as células imunológicas vão estar mais eficientes pois  estarão circulando junto com o sangue em maior precisão.Muito mais coisas acontecem como maior estímulo renal aumentando a vontade de urinar. Então vamos caminhar?